Deveras Prolixo

Falar pouco não é uma opção

Categoria: poeminha

Eu mesmo

De todas as coisas que quero ser nessa vida

A que mais me assusta é ser eu mesmo

Eu não sou o bem

Eu não sou o mal

Não sei o que sou

Sei o que quero

Fim

Se me dissessem que hoje acabaria meu sofrimento

Me jogaria no chão em prantos.

Como pode meu interlocutor

Anunciar sem nenhum ensaio

Que hoje é o dia de minha morte?

Entrega

Recebi uma encomenda tão medíocre

Uma caixa amassada

Um envelope pardo rasgado

O remetente era a vida

Faltam

Faltam alguns dias para que eu possa vê-lo novamente.

Faltam me palavras para descrever o que eu sinto.

Faltam momentos de silêncio e de calmaria.

Faltam quilômetros de distância.

Faltam sua presença e seu abraço.

Reputação

Não me importa a minha reputação

Você não me conhece

Eu não te conheço

Pois muito que bem

Sou quem eu quero

Me mostro a você como quero

Nessa nova vida

Não me importa a minha reputação

Não me queira

Se retorcia na cama.

Estava febril.

Estava sozinho.

Me adormecia os pés.

Me encarnava um espírito

Me deixava sem ar

Queria dizer que não queria

Não quero

Já quis e não quero mais

Não me queira

Deixa-me viver

Um dia

Um dia quis morrer
Hoje não morro mais

Ontem eu estava sozinha
Amanhã não mais

Depois de um dia cheio
Sinto agora mais tranquila

Amanhã é domingo
E amanhã eu não morro mais