Deveras Prolixo

Falar pouco não é uma opção

Categoria: as cartas não coram de vergonha

Brilho eterno

Não me lembro de ouvir você dizendo que se importa comigo. Não me lembro de ouvir você dizendo que a minha vida interfere na sua. Não me lembro de ouvir você dizendo que precisa de minha presença. Não me lembro de ouvir você dizendo que precisa de minha atenção. Não me lembro de ouvir você dizendo que são boas as lembranças que você tem de mim.

Não me lembro porque nunca aconteceu.

Li tudo que você escreve a meu respeito. Não me agrada a maneira como você tece conclusões a meu respeito.
Me espanta, porque nunca demonstrou estar incomodado com meu silêncio.
Agora que é preciso falar te digo:
Você é muito distante e não consigo te enxergar através do muro que construiu entre nós.
Tenho medo. Escuto, mas não vejo. Não feche a fresta que você deixou aberta.
Eu decidi. Te quero. Hoje.
Abra a porta, amado.
Deixe me entrar.

“Quase morri há menos de 22 horas atrás”

Quando acabou foi um alívio tão grande. Deixei pra trás tudo que não era meu e devolvi tudo que era seu. Não há nada mais libertador do que fazer de uma vontade uma realidade palpável. Eu quase posso tocar meu contentamento.

Não havia nada que você pudesse fazer. Minha alma experimenta uma verdade que você ainda não conhece. Uma verdade que não tem remendos, não tem lados e que me lembra todos os dias que não somos um do outro. Me lembra que você não é. Me lembra que eu não sou.

Meu plano era escapar, mas isso não seria justo.Seria? Meu corpo tremia tanto só de pensar nessa possibilidade, mas meu corpo não sabe de nada. Não sabe se sente frio, calor, desejo, fome, sono. Ele nunca experimentou do contentamento. Meu corpo me levou até você e aos sentimentos que ainda eram vaga teoria. O corpo tem razão de ser. Não seria justo.

Escuta aquela canção que fala das manhãs. Estou certa que quando terminar de ouvi-la não vai se lembrar mais de mim. Prometo!

 

“Te apresento a mulher mais discreta do mundo (…)”

Caro amigo,

eu não sei nada sobre ela. Muito frustrante, porque você bem sabe que não sei extrair nem mentiras e nem verdades das pessoas que querem escondê-las. Ontem mesmo eu perguntei a ela se estava disposta a sair comigo no sábado e ela se limitou a falar de amenidades e me distraí ficando sem resposta.

Bem sabe que não suporto rodeios e tudo que não é pragmático me causa um enjoo insuportável. Ela me faz ter dúvidas se estou apaixonado ou apenas encantado pelos segredos que guarda de mim.

No entanto, me apaixonei pelo olhar que me lança quando me vê. Amigo, parecem sentimentos verdadeiros. Um ególatra, como eu, não deixaria de perceber que ela se contorce quando me vê e não sabe onde botar as mãos quando fala comigo.

Confesso que não quero amá-la, mas todos os dias penso no quanto seria agradável vê-la novamente.

 

Adicção

A solidão para mim é como um vício. Quero ficar perto de você, mas me sinto mal e quero ir embora.Meu coração dispara, mas não porque você veio e sim porque você não vai embora. Quero ficar só, mas não quero te deixar só. EU me sinto a pessoa mais egoísta que já existiu.

As palavras que nunca te disse

Não sei por onde começar.

Não sinto mais nada. Começo errado, mas  você precisa me entender. Eu sou assim desde do dia que nasci e se você não precisa de mim não há motivo para que eu esteja contigo. Você não me deixa entrar e ficar na superfície não é o meu destino.

Não me entenda mal. Eu te usei, mas não foi com essa intenção que me aproximei de você. Minha mente divagante achava que um dia você acordaria diferente e que você viria até a mim da forma mais perfeita que  eu poderia imaginar.

Não se zangue. Tudo na vida é passageiro, pois a vida que vivemos ela mesmo não é eterna. Não há vida após a morte. Após a morte existe um momento sem início e sem fim, sem desejos, vontades e necessidades.

Não se engane. Nunca seremos felizes da maneira que queremos. Eu mesmo quando te conheci achei que era feliz, mas depois que nos investigamos não era mais.

Não sinto mais nada que possa corresponder aos sentimentos que você tem por mim. Não há nada que possamos fazer além de nos resignar. Sinto desejo pelo seu corpo, mas se você não precisa de mim não há motivo para que eu esteja contigo.

Sofro com minha racionalidade e para aceitar tudo que te digo agora.

Essas palavras não são para te machucar, mas para que você sofra pelos motivos certos.

 

 

 

Confissões #4

Tudo que eu escrevo é para você. Eu sei que você me lê agora e talvez até saiba que é a razão do meu afeto. 😉

Confissões #3

Tenho medo de que quando nossos olhos se cruzarem novamente não exista nada mais do que fantasia. Tenho medo que você não seja você e eu também não.

Não há nada que mais me assuste do que o dia em que você vai me abraçar e tocar na minha pele.

Jamais desejei alguém como você e por isso meu corpo nem sabe o que sentir quando penso nisso. As reações são tantas que eu me confundo e nessa confusão o que se sobressai é o medo.

“Transforma-se o amador na cousa amada (…)”

Oi. Desculpa te mandar essa mensagem tão tarde (espero não ter te acordado), mas é que eu não tenho sono e estou trabalhando desde que o sol se pôs.

Não tenho nada de muito importante pra dizer. Eu só queria que você soubesse que me importo. Todas as vezes que eu escuto aquela música me lembro de você e me sinto bem. Todas as vezes que assisto aquele filme (talvez eu tenha visto mais vezes do que se consideraria normal) eu me lembro de você e veja bem, me sinto tão bem quanto na primeira vez que o assisti.

Eu gosto de ter sua lembrança em cada coisa que eu faço. Não me canso. Me parece um pouco cedo para dizer isso, mas se não há de tomar decisões precipitadas na vida me pergunto para que me serve viver.

Eu me importo e se eu não falo muito dos meus sentimentos é porque eu tenho medo que eles me escapem e você veja a todos ao mesmo tempo. Você também esconde os seus e não seria justo.

Saudações do outro lado.

 

Confissões #2

Eu gostei de você desde o primeiro momento, mas eu não podia falar isso. Ou será que podia?

Pois bem, agora você sabe. Gostei de você desde o primeiro momento. Hoje posso dizer que nem é uma questão de gosto. Estou sentindo coisas que vão além de uma simples predileção, mas que se trata de um intenso desejo de coexistir.