Deveras Prolixo

Falar pouco não é uma opção

Mês: julho, 2016

Inspira

Respiro com dificuldade como um asmático se recuperando de uma crise

Respiro devagar como uma criança dormindo

Inspiro coisas noivas

Inspiro velhas emoções

Expiro vontades

Expiro lembranças

Meus pulmões se enchem

Sei que estou vivo

Sem ele

Palavras deveriam ser proibidas de serem ditas. Você disse “não” primeiro, mas meu “não” tinha sido gerado desde a primeira vez que nos vimos.

Com ela

No quarto trancado ouvindo The Smiths e pensando no que eu posso fazer para me convencer de que eu não sinto nada por você.

Rejeitos

Achei um pensamento na sarjeta e acho que te pertence.

Li tudo que você escreve a meu respeito. Não me agrada a maneira como você tece conclusões a meu respeito.
Me espanta, porque nunca demonstrou estar incomodado com meu silêncio.
Agora que é preciso falar te digo:
Você é muito distante e não consigo te enxergar através do muro que construiu entre nós.
Tenho medo. Escuto, mas não vejo. Não feche a fresta que você deixou aberta.
Eu decidi. Te quero. Hoje.
Abra a porta, amado.
Deixe me entrar.

Confissões #5

Decidi! Não te quero. Talvez eu não queira ninguém.

Interlocução

– Você fala muito alto.

-Do que você tá falando? Eu nem abri a boca.

-Desculpa, mas é que eu ouvi sua voz na minha cabeça e achei que era você me gritando.

-Tá tudo bem com você?

-Não. Não tô bem.

-O que aconteceu? Quer falar sobre isso?

-Eu não quero falar, mas quero te ouvir. Me diz o que você quer de mim?

-O que eu falava na sua cabeça?

-O que você quer de mim?

-Eu te perguntava isso?

-Não, eu que estou repetindo minha pergunta. Você nunca me responde o que eu quero saber. Meu estômago dói quando você faz isso.

-Você viu que hoje vai ser a noite mais fria do ano?

-Já é, há muito tempo.

“Quase morri há menos de 22 horas atrás”

Quando acabou foi um alívio tão grande. Deixei pra trás tudo que não era meu e devolvi tudo que era seu. Não há nada mais libertador do que fazer de uma vontade uma realidade palpável. Eu quase posso tocar meu contentamento.

Não havia nada que você pudesse fazer. Minha alma experimenta uma verdade que você ainda não conhece. Uma verdade que não tem remendos, não tem lados e que me lembra todos os dias que não somos um do outro. Me lembra que você não é. Me lembra que eu não sou.

Meu plano era escapar, mas isso não seria justo.Seria? Meu corpo tremia tanto só de pensar nessa possibilidade, mas meu corpo não sabe de nada. Não sabe se sente frio, calor, desejo, fome, sono. Ele nunca experimentou do contentamento. Meu corpo me levou até você e aos sentimentos que ainda eram vaga teoria. O corpo tem razão de ser. Não seria justo.

Escuta aquela canção que fala das manhãs. Estou certa que quando terminar de ouvi-la não vai se lembrar mais de mim. Prometo!

 

Ledo engano

Estou feliz que omitistes a verdade de mim. Sofro há exatamente 68 minutos. Se eu soubesse desde o início estaria espalhada por todo lado há alguns poucos meses.

“Te apresento a mulher mais discreta do mundo (…)”

Caro amigo,

eu não sei nada sobre ela. Muito frustrante, porque você bem sabe que não sei extrair nem mentiras e nem verdades das pessoas que querem escondê-las. Ontem mesmo eu perguntei a ela se estava disposta a sair comigo no sábado e ela se limitou a falar de amenidades e me distraí ficando sem resposta.

Bem sabe que não suporto rodeios e tudo que não é pragmático me causa um enjoo insuportável. Ela me faz ter dúvidas se estou apaixonado ou apenas encantado pelos segredos que guarda de mim.

No entanto, me apaixonei pelo olhar que me lança quando me vê. Amigo, parecem sentimentos verdadeiros. Um ególatra, como eu, não deixaria de perceber que ela se contorce quando me vê e não sabe onde botar as mãos quando fala comigo.

Confesso que não quero amá-la, mas todos os dias penso no quanto seria agradável vê-la novamente.